segunda-feira, 28 de maio de 2018

Produção de mudas de Guaraná (Guaranazeiro)


Coleta das estacas

As estacas devem ser retiradas de plantas matrizes selecionadas, provenientes de jardins clonais. Essas matrizes devem apresentar bom vigor vegetativo, ausência de sintomas de deficiências nutricionais e/ou ataque de pragas e doenças (Figura 1).
Foto: Murilo R. de Arruda
Figura 1. Planta matriz de guaranazeiro.
Recomenda-se coletar as estacas no período de lançamento dos ramos, que, no Estado do Amazonas, ocorre nos meses de março a maio. Essa atividade deve ser feita preferencialmente nas primeiras horas da manhã (5h - 7h), para diminuir a perda de água do material a ser propagado.

As estacas devem ser retiradas de ramos novos, herbáceos, porém não lignificados, lançados no ano da coleta, descartando-se a extremidade verdoenga (Figura 2A). Esse tipo de ramo apresenta melhor índice de enraizamento e gera mudas mais vigorosas. O tamanho das estacas é variável de acordo com o comprimento dos entrenós nos ramos. As estacas devem possuir uma gema e um par de folíolos cortados ao meio (Figura 2B) e devem ser cortadas em bisel, 2 cm a 3 cm acima da gema, para evitar ressecamento. O número de estacas a ser coletado em cada planta varia de acordo com a idade, o vigor e o ortete. Após a coleta, as estacas deverão ser umedecidas e acondicionadas preferencialmente em caixas de isopor, para o transporte. Nessas condições, permanecerão viáveis por até 30 horas.

Fotos: Firmino José N. Filho
 
Figura 2. Ramo herbáceo (A) e detalhe de uma estaca padrão (B).

Preparo do indutor de enraizamento

O fitormônio (ácido indol-3-butírico) deve ser aplicado, por via seca, na concentração de 2 mil ppm. Para se obter essa concentração, mistura-se 5 g do fitormônio com 2.400 g de talco inerte ou industrial. Para uma mistura bem homogênea, recomenda-se utilizar saco plástico resistente, com capacidade para 10 kg, no qual serão colocados o fitormônio e o talco. Depois, infla-se o saco, a fim de se obter uma câmara de ar, e, em seguida, agita-se por no mínimo 20 minutos. Com essa mistura é possível tratar cerca de 30 mil estacas. O tratamento faz-se tocando a base das estacas na mistura de fitormônio com talco (Figura 3 ).
Foto: Firmino José N. Filho
Figura 3. Estaca de guaranazeiro sendo tratada com fitormônio.

Plantio das estacas

Com o auxílio de um pedaço de madeira roliço e pontiagudo, com diâmetro semelhante ao das estacas, abre-se um orifício no centro dos sacos, a uma profundidade de 3 cm a 5 cm, para facilitar o plantio da estaca. Após o tratamento com o fitormônio, a estaca deve ser enterrada no saco cerca de 1/3 do seu tamanho, pressionando ao seu redor para fixá-la ao substrato (Figura 4). Em seguida, faz-se a rega para melhor ajustá-la ao substrato.
Foto: Firmino José N. Filho

Figura 4. Plantio das estacas em sacos plásticos.

Manutenção das mudas no viveiro

As estacas plantadas nos sacos devem permanecer no viveiro, com sombreamento de 50%, por um período de 7 a 9 meses. É importante, nos 90 primeiros dias, manter os folíolos das estacas sempre umedecidos, através da nebulização intermitente, uma vez que sem esse cuidado, em aproximadamente duas horas, todas as estacas que foram postas para enraizar podem ser perdidas por desidratação.

A irrigação das mudas no viveiro, dos 90 dias até a época de plantio, deve ser realizada de acordo com as condições climáticas. Na ausência de chuvas, as mudas deverão receber regas diárias, via sistema de irrigação ou manualmente.

Adubação das mudas

A adubação deverá ser feita diretamente no substrato, utilizando-se a seguinte mistura: 200 g de ureia + 200 g de cloreto de potássio, diluídos em 20 litros de água, preparada imediatamente antes do uso. A solução deve ser aplicada a cada 30 dias, na quantidade de 25 mL por planta, antes da irrigação. Essa adubação deverá ser suspensa 30 dias antes do plantio definitivo das mudas no campo.

Controle de plantas invasoras

Recomenda-se retirar periodicamente as plantas invasoras dos sacos, para evitar concorrência por água e nutrientes com as mudas de guaranazeiro.

Controle de pragas no viveiro

A principal praga que afeta as mudas do guaranazeiro na fase de viveiro é o tripes, que causa queda e deformações nas folhas. O viveirista deverá fazer inspeções semanais para verificar a presença de tripes. Quando for observado tripes no viveiro, um dos seguintes inseticidas deverá ser aplicado: acephate 75% (40 g do produto comercial em 20 L de água) ou deltametrina 25% (10 mL do produto comercial em 20 L de água). As aplicações deverão ser efetuadas em intervalos regulares de 20 dias. Esses produtos ainda não estão registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para a cultura do guaranazeiro.

Controle de doenças

As mudas com sintomas de antracnose ou superbrotamento devem ser descartadas.

Seleção das mudas para plantio

O número de folhas tem sido o fator indicativo para seleção de mudas de guaraná para o plantio definitivo. Com base na legislação em vigor, considera-se que a muda de guaraná propagada por estacas estará apta ao plantio quando apresentar pelo menos duas folhas compostas, completamente desenvolvidas e vigorosas.

Transporte das mudas para o local definitivo

No transporte, as mudas deverão estar protegidas do vento, para evitar a desidratação. Choques também devem ser evitados, prevenindo danos ao sistema radicular.