quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Doenças do Mirtilo


A cultura do mirtilo (Vaccinium ashei) vem ganhando destaque como mais uma boa alternativa de renda para a agricultura familiar e empresarial na região Sul do Rio Grande do Sul. A introdução e o cultivo dessas culturas são recentes, mas apresentam um grande potencial de crescimento na região, e também em outras localidades do Estado, despertando muito o interesse dos agricultores que buscam novas alternativas agrícolas. Apesar disso, ainda os estudos sobre as doenças que ocorrem nessa cultura é muito incipiente, tornando necessários trabalhos de levantamento e monitoramento dos problemas fitossanitários, que podem ou poderão causar perdas na produção dessas fruteiras.
A melhor estratégia de controle de pragas e doenças está na prevenção, evitando a sua introdução em uma área indene. Como a cultura de mirtilo ainda é pouco difundida no Brasil, o trabalho de prevenção de doenças se torna mais fácil, principalmente daquelas que são disseminados através de material propagativo. O uso do método preventivo contribui muito no controle de doenças, reduzindo o seu custo de produção e os danos por eles causados, aumentando a qualidade do produto final, tanto do ponto de vista visual, como de sabor, além da redução da dependência da aplicação de agrotóxicos, que muitas vezes são necessárias para solucionar os problemas fitossanitários.
Devido aos fatores acima citados, são importantes os estudos sobre as doenças que ocorrem em mirtilo. Durante os anos de 2004 e 2005 foram feitos levantamentos de doenças que ocorrem em mirtilo do Banco de Germoplasma e em unidades demonstrativas de produção que estão sendo instaladas na região Sul do Rio Grande do Sul. A presente publicação relata os fungos que foram encontrados associados à cultura do mirtilo nesse trabalho.

Fungos encontrados em mirtilo

Os principais gêneros de fungos constatados com maior freqüência no trabalho de levantamento realizado nos anos de 2004 a 2005 estão relacionados na Tabela 1. Para esse trabalho foram feitos o diagnóstico direto do material coletado, com suspeita de dano causado por fitopatógeno, ou por posterior isolamento em meio de cultura de BDA. Entre eles, o único que foi detectado, mas que provelmente não causa danos ao mirtilo é oTrichoderma, já que este gênero de fungo está mais associado ao controle biológico de outros fungos fitopatogênicos e é normalmente encontrado na superfície de plantas. Os outros fungos são considerados patógenos de plantas, portanto com potencial para causar danos em mirtilo.
Tabela 1. Principais gêneros de fungos associados à planta de mirtilo.
Cultura
Órgão da planta
Gênero de fungo
Mirtilo
Folha
Trichoderma
Ramo
Pestalotia
Botrytis
Flor
Botrytis
Trichoderma
Fruto
Colletotrichum
Aspergillus
Colo e raiz
Sclerotium
Phythophthora
Fonte: Embrapa Clima Temperado
O fungo Pestalotia foi encontrado associado à ramos com necrose superficial (Fig. 1). É mais comum em ramos que são usados para estaquia, principalmente quando há uma demora no seu enraizamento, chegando a secá-lo internamente. Ele é descrito com um patógeno secundário (Caruso & Ramsdell, 1995) de frutos nos EUA. Aparentemente em plantas com bom vigor este fungo não seria importante como fitopatógeno.
Foto: Bernardo Ueno 
Figura 1. Ramo de mirtilo atacado por Pestalotia sp.
Associado às flores de mirtilo foram constatados fungos do gênero Botrytis e Trichoderma, mas só o primeiro é importante. A espécie deve ser B. cinerea, fungo que é comum também em outras culturas no Brasil. É considerada uma doença importante no mirtilo, causando sérios prejuízos, pois afeta ramos, flores e frutos (Caruso & Ramsdell, 1995). No presente trabalho foi constatado a ocorrência de Botrytis em flores e ramos de mirtilo (Fig. 2). Devido aos danos que B. cinerea causa em mirtilo, é recomendado o controle preventivo com fungicidas na época da florada e frutificação até a colheita (Yang et al., 2005).
Frutos de mirtilo apresentaram doenças causadas por fungos do gênero Colletotrichum eAspergillus. Segundo Caruso & Ramsdell (1995), o primeiro é um patógeno primário e o segundo secundário. O Colletotrichum ataca frutos maduros causando o apodrecimento e formando sobre ele acérvulos com esporulação aralanjada, pode afetar ramos também (Michigan State University, 2006). É recomendado eliminação de ramos doentes, podas para melhor aeração da planta, cultivares resistentes e uso de fungicidas na época do florescimento até a pré-colheita. O Aspergillus causa necrose em frutos maduros conforme está mostrado na Figura 3.
Foto: Bernardo Ueno 
Figura 2.  Flores e ramos de mirtilo com sintomas de ataque de Botrytis cinerea.
Foto: Bernardo Ueno
Figura 3. Fruto de mirtilo atacado por Aspergillus sp.
O fungo Sclerotium rolfsii foi encontrado em plantas que tinham aproximadamente um ano e apresentavam necrose na região do colo, o que provavelmente resultou em sintomas de amarelecimento, murcha e posterior morte de plantas. A presença de esclerócios arredondados, semelhantes às sementes de brássicas que indica a infecção da planta por esse fungo. S. rolfsii causa anelamento do colo da planta, o que resulta nos sintomas acima descritos. Esse fungo é muito comum em locais que acumula muita umidade e matéria orgânica e condições de alta temperatura, portanto é importante evitar que isso aconteça.
Phytophthora foi detectado em plantas que apresentavam folhas avermelhadas, queda de folhas, causando posteriormente desfolha total e morte de plantas (Fig. 4). A região do colo da planta apresenta um anelamento e a parte interna do tronco e caule próximo a essa região está necrosada, conforme está ilustrado na Figura 4. A espécie de Phytophthora que é relatada como causadora do sintoma acima descrito é P. cinnamomi (Caruso & Ramsdell, 1995). Solos encharcados, uso de serragem mal curtida, excesso de nitrogênio favorecem o ataque por Phytophthora (Pscheidt, 2005). Segundo este mesmo autor, além do manejo cultural evitando criar condições favoráveis para o estabelecimento do fungo, quando necessário é recomendado o uso de produtos químicos a base de metalaxil, fosetil-Al ou fosfito na folha e no solo.
Foto: Bernardo Ueno
Figura 4.  Plantas com sintomas causados por Phytophthora